Pular para o conteúdo principal

O Déspota Esclarecido



Nossa esperança de um Brasil melhor sempre morre após uma eleição e, com sua morte, surpreendentemente renasce até a próxima eleição. Foi, é e será assim por um bom tempo, confirmando a sentença: “brasileiro não desiste nunca”.

Tenho certeza que em algum momento surgiu lá no fundo de sua alma o desejo de termos um político super-herói. Aquele que viria acabar com a pobreza, traria educação, acabaria com a desigualdade econômica e social. O iluminado que faria as leis perfeitas. Aquele que elevaria o Brasil ao patamar de país desenvolvido e potência mundial.

Ele existe? Não. Nem Getúlio e nem Lula chegaram perto. Mas há um nome para ele: déspota esclarecido.

O déspota esclarecido, de maneira bem superficial, seria um rei ou um ditador. Ele seria responsável pelo comando de todas as decisões políticas e administrativas do país, sem mecanismos de filtro como senado ou câmara.

Ele seria uma pessoa altamente culta e, apesar de ser um “ditador”, não impediria ou limitaria nossas liberdades. Ele é considerado ditador porque não cederia o posto de Chefe de Estado, ou seja, após tomar o poder – ainda que de forma democrática – ele permaneceria nele até sua morte.

O mundo nunca conheceu pessoa assim. Há vários relatos de possíveis exemplos de déspotas esclarecidos na história, mas nenhum realmente atingiu tal nível.

Pensar nele é sedutor, mas arriscado. Um exemplo de país que acreditou ter encontrado seu déspota esclarecido, chamando-o de führer, criou um dos mais cruéis de todos os ditadores e principal responsável pela última guerra mundial. Então, apesar de não termos os comandantes perfeitos, pelo menos temos o poder de escolha. Quem sabe um dia acabaremos digitando confirma para ele.

Comentários

  1. Gostei da forma que você escreve. O assunto é sério e você foi bem objetivo num assunto altamente complexo.

    ResponderExcluir
  2. olá, parabéns pelo blog. estou seguindo você aqui, segue o meu lá também \o/

    www.foiporquerer.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Concordo com você. Achar um cara assim é dificíiiiiilimo! Mas ok, como você mesmo disse: brasileiro não desiste nunca.

    Parabéns pelo blog, gostei!

    http://iampurplepineapple.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Parabens ae pelo blog...

    Seguindo...

    Visita uh meu ae
    http://www.clickloko.com

    ResponderExcluir
  5. Adorei a maneira na qual você escreve.
    http://lollyoliver.wordpress.com

    ResponderExcluir
  6. Muito bom, parabéns.
    Estou te seguindo, se puder retribua:
    http://entreaquija.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

XIX EXAME OAB - GABARITO PRELIMINAR OFICIAL (primeira fase)

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB.

-->


PRINCÍPIO DO ÔNUS DA IMPUGNAÇÃO ESPECÍFICA – ART. 302 do CPC

O sistema processual, regra geral, não admite a formulação de defesa genérica.
Tal comando está previsto no artigo 302 do Código de Processo Civil, o qual dispõe:
Art. 302. Cabe também ao réu manifestar-se precisamente sobre os fatos narrados na petição inicial. Presumem-se verdadeiros os fatos não impugnados, salvo: I - se não for admissível, a seu respeito, a confissão; II - se a petição inicial não estiver acompanhada do instrumento público que a lei considerar da substância do ato; III - se estiverem em contradição com a defesa, considerada em seu conjunto. Parágrafo único. Esta regra, quanto ao ônus da impugnação especificada dos fatos, não se aplica ao advogado dativo, ao curador especial e ao órgão do Ministério Público.
Conforme ensinamento de Nelson Nery “No processo civil é proibida a contestação genérica, isto é, por negação geral. Pelo princípio do ônus da impugnação especificada, cabe ao réu impugnar um a um os fatos articulados pelo autor na petição inicial. Deixando de impugna…

MODALIDADE DA OBRIGAÇÃO

1.QUANTO AO OBJETODar, fazer e não-fazer: essas são as obrigações quanto ao objeto.OBRIGAÇÃO DE DARDevedor deve entregar ou colocar à disposição um determinado bem. Ex.: compra e venda.OBRIGAÇÃO DE FAZERPresta serviço, presta atividade. Ex.: Prestação de serviço.OBRIGAÇÃO DE NÃO-FAZERAbstenção. Ex.: sigilo.José de Castro Neves: Nos casos em que temos o interesse na coisa, tenho a tendência que isso é uma obrigação de dar, p. ex. comprar uma cadeira. Se comprar uma cadeira levando em conta a habilidade do autor, isso é uma obrigação de fazer.1.1OBRIGAÇÃO DE DARNa manifestação da obrigação transfiro a propriedade de objeto, cedo a posse ou devo restituir alguma coisa.No direito brasileiro existe a transferência da propriedade por contrato. No Brasil, ao contrário da Itália e França que basta o contrato para transferência da propriedade, contrato não transfere direito real. As formas clássicas são Tradição (entrega da coisa) no caso dos bens móveis, e registro no Registro de Imóveis, no …