Pular para o conteúdo principal

Livro Primeira Fase OAB




São muitos os livros voltados para a primeira fase da OAB.

Teoricamente o exame da ordem possui fácil aprovação, já, que diferente de concursos, basta acertar 50% das questões, ou seja, 40 pontos.

Entre a infinidade de livros disponíveis indicamos dois modelos que devem ser usados em conjunto: 1)  um livro resumão; e 2) um livro de questões respondidas e comentadas.

O momento de preparação para a prova da OAB não é momento de aprender, é momento de relembrar. Assim, não adianta agora ler doutrina porque não dará tempo!

Existem diversos livros resumos, mas o que foi usado por um de nossos colaboradores aprovado na última prova foi o livro "Reta Final: Revisão unificada" da editora RT.
Ele tem precisão cirúrgica. Se você ler todo o livro até a prova tenho certeza que garante os 40 pontos necessários para a aprovação.

E para uma revisão completa, vale a pena a leitura conjunta de um livro com respostas comentadas.
O benefício desses livros é: se você acerta a questão é porque você domina a matéria; se você erra, a resposta correta fica gravada na sua memória e você não esquece mais.
Além disso, tais livros possuem diversas questões de concurso com matéria que provavelmente cairá na prova da ordem, talvez com uma abordagem diferente.

Aconselho o livro "Passe na OAB 1ª fase: FGV questões comentadas" da editora Saraiva.
Ele contém questões das últimas provas separada por áreas, temas e nível de dificuldade. Conta também com questões de concursos semelhantes às aplicadas pela FGV.

Tenho certeza que a leitura conjunta desses dois livros irão garantir sua aprovação na primeira fase!
Boa leitura e boa sorte!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

XIX EXAME OAB - GABARITO PRELIMINAR OFICIAL (primeira fase)

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB.

-->


PRINCÍPIO DO ÔNUS DA IMPUGNAÇÃO ESPECÍFICA – ART. 302 do CPC

O sistema processual, regra geral, não admite a formulação de defesa genérica.
Tal comando está previsto no artigo 302 do Código de Processo Civil, o qual dispõe:
Art. 302. Cabe também ao réu manifestar-se precisamente sobre os fatos narrados na petição inicial. Presumem-se verdadeiros os fatos não impugnados, salvo: I - se não for admissível, a seu respeito, a confissão; II - se a petição inicial não estiver acompanhada do instrumento público que a lei considerar da substância do ato; III - se estiverem em contradição com a defesa, considerada em seu conjunto. Parágrafo único. Esta regra, quanto ao ônus da impugnação especificada dos fatos, não se aplica ao advogado dativo, ao curador especial e ao órgão do Ministério Público.
Conforme ensinamento de Nelson Nery “No processo civil é proibida a contestação genérica, isto é, por negação geral. Pelo princípio do ônus da impugnação especificada, cabe ao réu impugnar um a um os fatos articulados pelo autor na petição inicial. Deixando de impugna…

MODALIDADE DA OBRIGAÇÃO

1.QUANTO AO OBJETODar, fazer e não-fazer: essas são as obrigações quanto ao objeto.OBRIGAÇÃO DE DARDevedor deve entregar ou colocar à disposição um determinado bem. Ex.: compra e venda.OBRIGAÇÃO DE FAZERPresta serviço, presta atividade. Ex.: Prestação de serviço.OBRIGAÇÃO DE NÃO-FAZERAbstenção. Ex.: sigilo.José de Castro Neves: Nos casos em que temos o interesse na coisa, tenho a tendência que isso é uma obrigação de dar, p. ex. comprar uma cadeira. Se comprar uma cadeira levando em conta a habilidade do autor, isso é uma obrigação de fazer.1.1OBRIGAÇÃO DE DARNa manifestação da obrigação transfiro a propriedade de objeto, cedo a posse ou devo restituir alguma coisa.No direito brasileiro existe a transferência da propriedade por contrato. No Brasil, ao contrário da Itália e França que basta o contrato para transferência da propriedade, contrato não transfere direito real. As formas clássicas são Tradição (entrega da coisa) no caso dos bens móveis, e registro no Registro de Imóveis, no …