Pular para o conteúdo principal

Do Direito Fundamental à tutela executiva e a Efetividade à Prestação Jurisdicional




“É de ser relevado que não basta o juiz julgar; não basta julgar em prazo razoável; também não basta julgar com imparcialidade... deve também julgar solucionando o conflito e garantindo uma jurisdição executiva plena e eficaz. (Agravo de Instrumento n. 2011.065039-7, Rel. Des. Paulo Roberto Camargo Costa)

Não raro vemos nos processos em que figura como Réu a Administração Pública uma flagrante violação ao Direito Fundamental à Tutela executiva. Ela acontece, principalmente, quando, apesar de reconhecido o direito à percepção de valores devidos pela administração, o órgão público sem uma razão plausível descumpre decisão judicial.

Do direito ao devido processo legal (art. 5°, LIV CF) e do princípio da inafastabilidade da atividade jurisdicional (art. 5°, XXXV, CF) extrai-se o direito fundamental à tutela executiva. Tal direito garante a todo jurisdicionado “obter do Poder Judiciário uma prestação jurisdicional efetiva (DIDIER JR., Fredie. BRAGA, Paulo Sarno. OLIVEIRA, Rafael. Curso de Direito Processual Civil: Direito probatório, decisão judicial, cumprimento e liquidação da sentença e coisa julgada. 2007).

O descumprimento de ordem judicial, acarreta, inclusive, ilícito penal disposto no art. 330 do CP, já que impede a efetividade da decisão.

Nos casos em que o objeto em litígio tem natureza alimentar, a efetivação do pagamento integral de valor reconhecido em antecipação de tutela e confirmado em sentença é medida que se impõe com máxima urgência.

Ao julgador cabe tomar as medidas necessárias à concretização do direito fundamental à tutela executiva para que se alcance a efetivação da prestação jurisdicional.

Os meios para o cumprimento da tutela específica estão estabelecidos, de maneira exemplificativa, no Art. 461 do CPC, em especial no parágrafo 5°.

A efetividade à prestação jurisdicional é o fim que o julgador deve alcançar para que haja, de fato, um devido processo legal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

XXI EXAME OAB - GABARITO PRELIMINAR OFICIAL FGV (primeira fase)

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB. Está no smartphone? Gire o celular para visualizar melhor

Gabarito XIV Exame da OAB - Primeira Fase (Extraoficial)

acompanhe também no  facebook  e no  twitter utilize os comentários para discutir as dúvidas iniciais Clique aqui para ver as opções de recurso CORREÇÃO AO VIVO GABARITO OFICIAL!!!! RECURSOS AQUI O candidato que reprovou na 2ª fase do XIII Exame, mas foi aprovado na 1ª fase, poderá inscrever-se exclusivamente via Internet, das 14h do dia 05 de agosto até às 23h59 do dia 12 de agosto, no horário oficial de Brasília (DF), e solicitar o reaproveitamento do resultado de aprovação da 1ª fase. Desta forma, o examinando, neste caso, realizará apenas a segunda fase no XIV Exame. --> TIPO VERDE TIPO BRANCA TIPO AZUL TIPO AMARELA A aprovação é requisito necessário para a inscrição nos quadros da OAB como advogado, conforme previsto no artigo 8º, IV, da Lei 8.906/1994. O Exame de Ordem pode ser prestado por bacharel em Direito, ainda que pendente apenas a sua colação de grau, formado em ins

XIII EXAME OAB - segunda fase - GABARITO PRELIMINAR - prova subjetiva

XIII Exame OAB (PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL)  01 de julho de 2014  GABARITO OFICIAL COMUNICADO FGV: PROVA DIREITO DO TRABALHO Acompanhe também no twitter e no facebook PRIMEIRAS INFORMAÇÕES PEÇAS : DIREITO PENAL : APELAÇÃO (593, I, CPP) DIREITO CIVIL : INICIAL COM DIREITO DE CONSUMIDOR - OBRIGAÇÃO DE FAZER COM TUTELA ANTECIPADA DIREITO CONSTITUCIONAL : ADI (AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE) DIREITO TRIBUTÁRIO : EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE DIREITO ADMINISTRATIVO : APELAÇÃO DIREITO TRABALHISTA : EMBARGOS À EXECUÇÃO DIREITO EMPRESARIAL : CONTESTAÇÃO QUESTÕES DIREITO CIVIL : Questão 01 : A) valor da causa: art. 58, inciso III, Lei 8245/91; B) art. 59, parágrafo primeiro, inciso IX, Lei 8245/91; C) art. 59, parágrafo 3º da Lei 8245/91 Questão 02 : A) art. 549, CC c/c art. 1846, CC: nula a doação na parte que exceder o que o doador poderia dispor por ato de liberalidade. B) Ação Declaratória de Nulidade de Negocio Jurídico,