Pular para o conteúdo principal

As Concepções Políticas do Século XX – A ARTE CONTRA O PESO DAS COISAS



A atividade artística, a partir do século XX, sofre com problemas novos, efeitos da sociedade contemporânea. Para todos os problemas novos a arte, nas suas mais variadas formas, encontra também soluções novas. Isso é possível porque, após a época clássica, a Arte tornou-se uma atividade independente, o que permitiu a ela julgar livremente a realidade presente no mundo.
Os problemas, críticas e soluções espalham-se por todos os campos da arte: no teatro, na literatura, na música, na pintura e principalmente na mais nova das artes que é o cinema.
Os artistas do início do século XX são os primeiros a analisarem as crises e os abalos que o mundo sofre nesse período, enquanto teóricos políticos, sociólogos e psicólogos analisam fatos que já foram superados. Isso se deve ao caráter próprio da arte, que é a originalidade. Essas análises artísticas revelam evidencias ocultas pelos poderes estéticos, acadêmicos ou políticos.
Outro diferencial dos artistas é que eles sugerem que mudanças no/de Estado não são suficientes, o que realmente é necessário é uma mudança à vida. Diferente das análises sociais que consideram o presente como consequência absoluta do passado, e o futuro como causa do passado e do presente, através da arte formamos um presente livre, que não está preso a convicções do passado.
A arte vê a sociedade como fruto da imaginação e julga a força que une a sociedade como algo simbólico. Entendem que a racionalidade encontrada na sociedade, assim como ela, é uma invenção e o papel da atividade artística é explorar essa força inventiva – isso foi usado, de forma grosseira, pelos regimes totalitários que controlaram a arte colocando-a a serviço do Estado, destruindo sua capacidade de inventar.
Grande capacidade de influenciar a sociedade possui a arte, e um exemplo disso é o caçula das artes, o cinema. Apesar de ter uma estreita relação com a sociedade industrial o cinema não deixa de participar na política. Ela possui “a capacidade de experimentar concretamente o abstrato” o que leva a ter vantagem sobre as demais artes, pois penetra mais amplamente no publico.
Enfim, como conclusão, uso as palavras de François Châtelet e Évelyne Pisier-Kouchner, autores do livro, que elucida muito bem o papel da arte na sociedade:
Por mais eficazes que possam ser os projetos dos políticos, por mais rigorosos e sutis que se apresente os conceitos dos teóricos, eles se desenvolvem contra o pano de fundo de sociedades que se deixam frequentemente esmagar, mas que são também capazes de inventar”. E o transmissor dessa capacidade é a arte.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

XIX EXAME OAB - GABARITO PRELIMINAR OFICIAL (primeira fase)

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB.

-->


PRINCÍPIO DO ÔNUS DA IMPUGNAÇÃO ESPECÍFICA – ART. 302 do CPC

O sistema processual, regra geral, não admite a formulação de defesa genérica.
Tal comando está previsto no artigo 302 do Código de Processo Civil, o qual dispõe:
Art. 302. Cabe também ao réu manifestar-se precisamente sobre os fatos narrados na petição inicial. Presumem-se verdadeiros os fatos não impugnados, salvo: I - se não for admissível, a seu respeito, a confissão; II - se a petição inicial não estiver acompanhada do instrumento público que a lei considerar da substância do ato; III - se estiverem em contradição com a defesa, considerada em seu conjunto. Parágrafo único. Esta regra, quanto ao ônus da impugnação especificada dos fatos, não se aplica ao advogado dativo, ao curador especial e ao órgão do Ministério Público.
Conforme ensinamento de Nelson Nery “No processo civil é proibida a contestação genérica, isto é, por negação geral. Pelo princípio do ônus da impugnação especificada, cabe ao réu impugnar um a um os fatos articulados pelo autor na petição inicial. Deixando de impugna…

MODALIDADE DA OBRIGAÇÃO

1.QUANTO AO OBJETODar, fazer e não-fazer: essas são as obrigações quanto ao objeto.OBRIGAÇÃO DE DARDevedor deve entregar ou colocar à disposição um determinado bem. Ex.: compra e venda.OBRIGAÇÃO DE FAZERPresta serviço, presta atividade. Ex.: Prestação de serviço.OBRIGAÇÃO DE NÃO-FAZERAbstenção. Ex.: sigilo.José de Castro Neves: Nos casos em que temos o interesse na coisa, tenho a tendência que isso é uma obrigação de dar, p. ex. comprar uma cadeira. Se comprar uma cadeira levando em conta a habilidade do autor, isso é uma obrigação de fazer.1.1OBRIGAÇÃO DE DARNa manifestação da obrigação transfiro a propriedade de objeto, cedo a posse ou devo restituir alguma coisa.No direito brasileiro existe a transferência da propriedade por contrato. No Brasil, ao contrário da Itália e França que basta o contrato para transferência da propriedade, contrato não transfere direito real. As formas clássicas são Tradição (entrega da coisa) no caso dos bens móveis, e registro no Registro de Imóveis, no …