Pular para o conteúdo principal

Abreu, Antônio Suárez. A Arte de Argumentar – Gerenciando Razão e Emoção


No primeiro capítulo Antonio Suárez Abreu mostra a importância de argumentar, colocando a argumentação como a solução contra a solidão. Também é nesse capítulo que ele nos mostra o verdadeiro sentido do verbo argumentar – o que ao senso comum significa vencer alguém é, na realidade, vencer juntos.
Algo fundamental à argumentação é a informação. Quanto à informação, deve-se ter um cuidado especial – já que ele é a base pra qualquer argumentação. Devemos buscar como fonte para a argumentação não só os meios de comunicação em massa, mas principalmente livros – preferencialmente os clássicos.
Além da informação, deve-se ter um bom gerenciamento de relação, já que no mundo competitivo de hoje só se sobressai aquele que tiver boa relação com os amigos, professores, colegas de trabalho, chefe... – e a falta de relacionamento é caminho direto à solidão.
Argumentar é a arte de convencer e persuadir (pág. 25). Convencer é vencer junto com o outro e persuadir é saber gerenciar relação, é falar à emoção do outro (pág. 25). Há uma diferença entre convencer e persuadir: convencer é fazer uma pessoa pensar como nós; persuadir é fazer com que uma pessoa realize algo que desejamos que ela realize. Com isso podemos definir argumentação como “a arte de, gerenciando informação, convencer o outro de alguma coisa no plano das ideias e de, gerenciando relação, persuadi-lo, no plano das emoções, a fazer alguma coisa que nós desejamos que ele faça” (pág. 26).





Para a argumentação, a primeira condição é ter uma tese definida e saber qual problema será respondido com essa tese. No plano da ideia as teses serão as próprias ideias. A segunda condição de argumentação é uma linguagem comum com o auditório (que pode ser uma ou várias pessoas). Aqui abrimos um parêntese para lembrar que auditório não pode ser confundido com interlocutor. Interlocutor é aquele que leva a informação ao verdadeiro auditório; Há auditório universal e particular – devendo, a pessoa que irá argumentar, adaptar-se ao tipo de auditório.
A terceira condição de argumentação é ter um contato positivo com o auditório – saber ouvi-lo e ser sincero – observar também suas expressões e tom de voz (pois são ótimas fontes de informação).
Num processo de argumentação com a intenção de convencer o outro, não podemos propor nossa tese de imediato, mas sim preparar o terreno para ela. Essa introdução à tese principal é chamada de tese de adesão inicial.
Há várias técnicas argumentativas, que tem a função de ligar a tese inicial com a principal. Elas estão divididas em:
Os argumentos quase lógicos – divididos em: Compatibilidade e incompatibilidade (procura demonstrar que a tese inicial, com a qual o auditório previamente concordou, é compatível ou não com a tese principal); Regra de justiça (fundamentado no tratamento idêntico a seres e situações de uma mesma categoria); Retorção (réplica que é feita utilizando os argumentos do interlocutor); Ridículo (criar uma situação irônica ao se adotar, de forma provisória, um argumento do outro); Definição (pode ser lógica, expressiva, normativa e etimológica).
Argumentos fundamentados na estrutura do real – classificados em: Argumento pragmático (fundamentado na relação de dois acontecimentos sucessivos por meio de um vínculo causal); Argumento do Desperdício (ir até o fim de um trabalho para não perder o tempo e o dinheiro investido nele); Argumentação pelo exemplo (imitações das ações de outras pessoas); Pelo modelo ou pelo antimodelo (modelo: variação da argumentação por exemplo; e antimodelo: o que devemos evitar); Pela analogia (utiliza como tese de adesão inicial um fato que tenha uma relação analógica com a tese principal).
Outra forma de convencer pela argumentação é o recurso de presença, que nada mais são do que histórias contadas dom o fim de convencer o outro.
Na arte de persuadir, o grande segredo é encontrar o que o outro tem a ganhar fazendo o que queremos, claro que tudo ligado à ética. O primeiro passo e descobrir os valores que o auditório valoriza. Há algumas técnicas para alterar a hierarquia desses valores, que são: lugar de quantidade, qualidade, ordem, essência, pessoa e do existente.
Após todas essas técnicas e exemplos, conclui-se que argumentar é convencer (vencer junto com o outro), utilizando técnicas argumentativas para tal fim, e persuadir (conhecer o interior do outro, suas emoções e sensibilizar-se com elas). Argumentar é fazer com que as pessoas façam o que queremos mas de forma autônoma e a forma, ou fórmula, para esse fim é gerenciar razão (convencer) e emoção (persuadir).

Comentários

  1. Queria muito melhorar minha argumentação, lembro muito de meu avô (advogado e Escritor Jurídico) sabia nos convecer com seus bons argumentos, vou adquirir este livro, pois da forma em que argumentou sobre ele não posso deixar de ter em minha cabeçeira.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

XIX EXAME OAB - GABARITO PRELIMINAR OFICIAL (primeira fase)

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB.

-->


PRINCÍPIO DO ÔNUS DA IMPUGNAÇÃO ESPECÍFICA – ART. 302 do CPC

O sistema processual, regra geral, não admite a formulação de defesa genérica.
Tal comando está previsto no artigo 302 do Código de Processo Civil, o qual dispõe:
Art. 302. Cabe também ao réu manifestar-se precisamente sobre os fatos narrados na petição inicial. Presumem-se verdadeiros os fatos não impugnados, salvo: I - se não for admissível, a seu respeito, a confissão; II - se a petição inicial não estiver acompanhada do instrumento público que a lei considerar da substância do ato; III - se estiverem em contradição com a defesa, considerada em seu conjunto. Parágrafo único. Esta regra, quanto ao ônus da impugnação especificada dos fatos, não se aplica ao advogado dativo, ao curador especial e ao órgão do Ministério Público.
Conforme ensinamento de Nelson Nery “No processo civil é proibida a contestação genérica, isto é, por negação geral. Pelo princípio do ônus da impugnação especificada, cabe ao réu impugnar um a um os fatos articulados pelo autor na petição inicial. Deixando de impugna…

MODALIDADE DA OBRIGAÇÃO

1.QUANTO AO OBJETODar, fazer e não-fazer: essas são as obrigações quanto ao objeto.OBRIGAÇÃO DE DARDevedor deve entregar ou colocar à disposição um determinado bem. Ex.: compra e venda.OBRIGAÇÃO DE FAZERPresta serviço, presta atividade. Ex.: Prestação de serviço.OBRIGAÇÃO DE NÃO-FAZERAbstenção. Ex.: sigilo.José de Castro Neves: Nos casos em que temos o interesse na coisa, tenho a tendência que isso é uma obrigação de dar, p. ex. comprar uma cadeira. Se comprar uma cadeira levando em conta a habilidade do autor, isso é uma obrigação de fazer.1.1OBRIGAÇÃO DE DARNa manifestação da obrigação transfiro a propriedade de objeto, cedo a posse ou devo restituir alguma coisa.No direito brasileiro existe a transferência da propriedade por contrato. No Brasil, ao contrário da Itália e França que basta o contrato para transferência da propriedade, contrato não transfere direito real. As formas clássicas são Tradição (entrega da coisa) no caso dos bens móveis, e registro no Registro de Imóveis, no …