Pular para o conteúdo principal

Audiência Pública para o Exercício da Gestão Democrática da Cidade: A controvérsia do aumento do IPTU em Florianópolis



Maurício Pereira Cabral

   A tramitação de um projeto de lei não pode ser visto como mero procedimento administrativo, ou seja, não é mera sequência ordenada de atos visando a um fim, mas verdadeiro procedimento em contraditório.
   Nesse contexto, o Estatuto da Cidade, Lei n. 10.257/2001, apresenta como diretriz para o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e da propriedade urbana a participação da população e das associações representativas na execução e acompanhamento dos projetos de desenvolvimento urbano, o qual se dá por meio de debates, audiências e consultas públicas:

Estatuto da Cidade, Art. 2° A política urbana tem por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e da propriedade urbana, mediante as seguintes diretrizes gerais:
(...)
II – gestão democrática por meio da participação da população e de associações representativas dos vários segmentos da comunidade na formulação, execução e acompanhamento de planos, programas e projetos de desenvolvimento urbano;

  Tal exigência reflete o princípio republicano esculpido no parágrafo único do artigo 1° da Constituição Federal, o qual determina de forma clara que todo poder emana do povo.
  Nesse aspecto, a Lei Orgânica do Município de Florianópolis dispõe em seu artigo 2°, parágrafo único, II, que a soberania popular é exercida pela participação popular nas decisões do Município:

Art. 2º - O poder emana do povo, que o exerce pelos seus representantes eleitos, ou diretamente, nos termos desta Lei e toda legislação própria.
Parágrafo Único - A soberania popular se manifesta quando a todos são asseguradas condições dignas de existência, e será exercida:
I - pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto;
II - pelo plebiscito e referendo;
III - pela iniciativa popular no processo legislativo;
IV - pela participação popular nas decisões do Município e no aperfeiçoamento democrático de suas instâncias na forma de Lei;
V - pela ação fiscalizadora sobre a administração pública.

  Assim, o princípio republicano aliado ao princípio processual do contraditório impõe aos projetos legislativos a realização de debates, audiências e consultas públicas como instrumento de garantia da gestão democrática da cidade, exigência traduzida no artigo 43 do Estatuto da Cidade:

Estatuto da Cidade, Art. 43. Para garantir a gestão democrática da cidade, deverão ser utilizados, entre outros, os seguintes instrumentos:
I – órgãos colegiados de política urbana, nos níveis nacional, estadual e municipal;
II – debates, audiências e consultas públicas;
III – conferências sobre assuntos de interesse urbano, nos níveis nacional, estadual e municipal;
IV – iniciativa popular de projeto de lei e de planos, programas e projetos de desenvolvimento urbano;
V – (VETADO)

  São os debates, audiências e consultas públicas que concretizam os princípios constitucionais da prestação de informações de interesse geral previstos tanto no artigo 5°, XXXIII, como no artigo 37 da Constituição Federal.
  Desse modo, sempre que direitos coletivos estiverem em jogo, haverá espaço para realização de audiência pública.
  De outro modo não se pode operar. É lição de Carvalho Filho:

Se um plano urbanístico resulta apenas de pareceres técnicos elaborados em gabinetes de autoridades administrativas, as ações que dele provierem não representarão, com certeza, os anseios das comunidades. Como o alvo da política urbana é o bem-estar da população, deve esta participar, em co-gestão, para as ações e estratégias adequadas1.

  A Câmara Municipal de Florianópolis realizou a votação e aprovação do Projeto de Lei Complementar n. 1.296/2013, que atualiza a Planta Genérica de Valores - PGV, a qual deu origem à Lei Complementar Municipal n. 480/2013, sem qualquer participação da sociedade civil.
  O referido projeto de revisão da Planta Genérica de Valores – PGV foi recebido pela Câmara Municipal em 04.11.2013 e aprovado em 13.12.2013. A celeridade da tramitação foi realizada à custa da participação democrática da cidade.
  Há de se observar que gestão não se confunde com gerenciamento. Ao definir ‘gestão democrática’ o legislador impõe grande amplitude na participação ativa popular. Como observa Dallari Bucci: a gestão democrática das cidades implica a participação dos seus cidadãos e habitantes nas funções de direção, planejamento, controle e avaliação das políticas urbanas2.
  Oportuno apresentar que o Município de Florianópolis possui norma que cria a Comissão de Revisão da Planta Genérica de Valores Imobiliários. Prevista pela Lei Municipal n. 6.071/2002, a referida norma exige do cidadão comum que busca pela via administrativa a revisão dos valores da PGV a apreciação do pedido por Comissão formada pelas entidades: I - Conselho Regional dos Corretores de Imóveis - CRECI; II - Sindicato da Indústria da Construção Civil - SINDUSCON; III - Instituto Catarinense de Avaliação e Perícia de Engenhara de Santa Catarina - ICAPE/SC; IV - Escola Técnica Federal de Santa Catarina - ETEFESC; V - Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC; VI - Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - CREA; VII - Instituto de Planejamento urbano de Florianópolis - IPUF; VIII - Secretaria Municipal de Finanças; IX- Secretaria de Urbanismo e Serviços Públicos - SUSP; X - Secretaria do Patrimônio da União - SPU; XI- Secretaria de Estado da Fazenda; XII - Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis em Florianópolis – SECOVI.
  Percebe-se, no entanto, que nenhum dos entes acima citados foi chamado pela Câmara Municipal para apresentar parecer sobre o tema, ou, o que é mais grave, o “estudo realizado para apurar a atual PGV”, como destacado em Mensagem n. 77/2013 do Prefeito Municipal de Florianópolis, foi realizado sem a participação de qualquer dos entes enumerados no artigo 2° da Lei Municipal n. 6.071/2002.
  Assim, patente a ilegalidade na tramitação e aprovação da Lei Complementar n. n. 1.296/2013, vício que implica em sua inconstitucionalidade e ilegalidade, por limitar o debate sobre matéria que alcança direitos coletivos.

 _______________________
1CARVALHO FILHO, José dos Santos. Comentários ao Estatuto da Cidade. 3ª ed. p. 37.
2BUCCI, Maria Paula Dallari. Gestão Democrática da Cidade. In. Estatuto da Cidade (comentários à Lei Federal 10.257/2001). 2003. p. 323.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

XXI EXAME OAB - GABARITO PRELIMINAR OFICIAL FGV (primeira fase)

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB. Está no smartphone? Gire o celular para visualizar melhor

Gabarito XIV Exame da OAB - Primeira Fase (Extraoficial)

acompanhe também no  facebook  e no  twitter utilize os comentários para discutir as dúvidas iniciais Clique aqui para ver as opções de recurso CORREÇÃO AO VIVO GABARITO OFICIAL!!!! RECURSOS AQUI O candidato que reprovou na 2ª fase do XIII Exame, mas foi aprovado na 1ª fase, poderá inscrever-se exclusivamente via Internet, das 14h do dia 05 de agosto até às 23h59 do dia 12 de agosto, no horário oficial de Brasília (DF), e solicitar o reaproveitamento do resultado de aprovação da 1ª fase. Desta forma, o examinando, neste caso, realizará apenas a segunda fase no XIV Exame. --> TIPO VERDE TIPO BRANCA TIPO AZUL TIPO AMARELA A aprovação é requisito necessário para a inscrição nos quadros da OAB como advogado, conforme previsto no artigo 8º, IV, da Lei 8.906/1994. O Exame de Ordem pode ser prestado por bacharel em Direito, ainda que pendente apenas a sua colação de grau, formado em ins

XIX EXAME OAB - GABARITO PRELIMINAR OFICIAL (primeira fase)

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB. -->