Pular para o conteúdo principal

CORRUPÇÃO NO BRASIL




Os fatos ocorridos no mês revelaram uma verdade triste que trouxe nuvens a um horizonte que, para mim, era tão azul. O mês de agosto mostrou ser realmente o mês do desgosto.

Dois fatos quase simultâneos mostram que a luta contra a corrupção no pais é muito mais difícil do que o imaginado. Primeiro, no mês de julho, cai o chefe da Casa Civil Antonio Palocci, o que gera uma cadeia que atinge seu ápce no mês de agosto, quando o ministro do Turismo e o ministro da Defesa são demitidos e o ministro da Agricultura pede demissão. Completando este cenário, o parlamento, incluindo a base aliada, faz uma “greve” contra o executivo. O que exigiam? A liberação de emendas parlamentares, que contabilizam 1 bilhão de reais.
Segundo fato, no dia 12 de agosto, o Brasil fica sabendo da morte de uma juíza do Rio, Patrícia Acioli, que sucumbio no combate contra a milícia.

O que estes fatos têm em comum? Em ambos há um combate direto contra a corrupção (por que será que a Dilma não queria liberar as emendas parlamentares para os próprios alidados?) e em ambos há derrotas.

O combate contra a corrupção é muito mais complexo quanto parece - quem assistiu Tropa de Elite 2 sabe muito bem do que estou falando. Fica claro que combater “de dentro” é muito mais difícil, já que você atinge àqueles que são peças fundamentais do jogo.

Não gosto do Jabor, mas pela primeira vez tenho que concordar com ele. A corrupção não só faz parte do sistema político/judiciário como ela é o próprio sistema. Já que não pode ser combatida de dentro, quem está fora (pelo menos teoricamente de fora) como a mídia tem o dever de combater amplamente, mas o que aconteceu? Apesar de não admitir, a Dilma está fazendo um verdadeiro limpa no Planalto e a mídia não dá o verdadeiro respeito/atenção que deveria. Agora era hora de aplaudir e apoiar os feitos da Presidente, levantar a bandeira contra a corrupção, mas nada disso acontece.

Somos movidos pela Globo, pode ver. Os cara-pintadas não existiram, foi apenas fogo de palha aceso pela Globo. Onde estão eles hoje? Enquanto a Dilma varria a corrupção estavamos preocupados com “quem matou a Norma”. A Dilma é o cordeiro no meio de lobos. Ingenuamente ela peita a corrupção – assim como a juíza – e o próprio José Dirceu afirmou, se ela continuar assim não termina o mandato. Era hora de apoiar a Presidente. Mostrar que ela não está sozinha, tem uma nação que a elegeu e a apoia, que quer tanto como ela o fim da corrupção.

É impossível lutar contra a corrupção quando ela é necessária para, a exemplo da Dilma, governar ou, a exemplo da juíza, sobreviver. A mudança depende de nós também, mas tudo mostra que continuaremos nesse lodo por muitas gerações vendo os os bravos sucumbir.

Tantos movimentos ocorridos no primeiro semestre (preço justo já, churrasco da gente diferenciada...) mostraram o que para mim poderia ser a luz no fim do túnel. Começo a achar que não passavam de sonhos.




Ps:
Let us not wallow in the valley of despair, I say to you today, my friends.

And so even though we face the difficulties of today and tomorrow, I still have a dream.”
Martin Luther King, Jr.

Comentários

  1. tama que esse mes que se inicia hj.. nao seja tao ruim, como foi o mes passado...

    te sigooo
    http://miticoplus.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Nossa, a morte da juiza, foi a deixa para que possam ver que os juizes desse brasilzão correm muito perigo sim.. E a politicagem, tá como sempre, não prestando, realidade triste..
    http://lollyoliver.wordpress.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

XIX EXAME OAB - GABARITO PRELIMINAR OFICIAL (primeira fase)

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB.

-->


PRINCÍPIO DO ÔNUS DA IMPUGNAÇÃO ESPECÍFICA – ART. 302 do CPC

O sistema processual, regra geral, não admite a formulação de defesa genérica.
Tal comando está previsto no artigo 302 do Código de Processo Civil, o qual dispõe:
Art. 302. Cabe também ao réu manifestar-se precisamente sobre os fatos narrados na petição inicial. Presumem-se verdadeiros os fatos não impugnados, salvo: I - se não for admissível, a seu respeito, a confissão; II - se a petição inicial não estiver acompanhada do instrumento público que a lei considerar da substância do ato; III - se estiverem em contradição com a defesa, considerada em seu conjunto. Parágrafo único. Esta regra, quanto ao ônus da impugnação especificada dos fatos, não se aplica ao advogado dativo, ao curador especial e ao órgão do Ministério Público.
Conforme ensinamento de Nelson Nery “No processo civil é proibida a contestação genérica, isto é, por negação geral. Pelo princípio do ônus da impugnação especificada, cabe ao réu impugnar um a um os fatos articulados pelo autor na petição inicial. Deixando de impugna…

MODALIDADE DA OBRIGAÇÃO

1.QUANTO AO OBJETODar, fazer e não-fazer: essas são as obrigações quanto ao objeto.OBRIGAÇÃO DE DARDevedor deve entregar ou colocar à disposição um determinado bem. Ex.: compra e venda.OBRIGAÇÃO DE FAZERPresta serviço, presta atividade. Ex.: Prestação de serviço.OBRIGAÇÃO DE NÃO-FAZERAbstenção. Ex.: sigilo.José de Castro Neves: Nos casos em que temos o interesse na coisa, tenho a tendência que isso é uma obrigação de dar, p. ex. comprar uma cadeira. Se comprar uma cadeira levando em conta a habilidade do autor, isso é uma obrigação de fazer.1.1OBRIGAÇÃO DE DARNa manifestação da obrigação transfiro a propriedade de objeto, cedo a posse ou devo restituir alguma coisa.No direito brasileiro existe a transferência da propriedade por contrato. No Brasil, ao contrário da Itália e França que basta o contrato para transferência da propriedade, contrato não transfere direito real. As formas clássicas são Tradição (entrega da coisa) no caso dos bens móveis, e registro no Registro de Imóveis, no …