Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2010

A MONAQUIA CONSTITUCIONAL: HEGEL E MONTESQUIEU.

Hegel e Montesquieu descrevem uma constituição muito diferente das descritas anteriormente nas formas clássicas de governo. A tipologia da monarquia constitucional de Hegel é de maior articulação e complexibilidade . Hegel afirma que a vida social desenvolveu-se tanto que acabou se duplicando em dois aspectos diferentes: a sociedade civil e o Estado. Isso significa que a sociedade civil funciona com interesses próprios e possui sistema autônomo. E o Estado é onde as diferenças sociais são articuladas e recompostas. Para Hegel a monarquia constitucional é uma constituição articulada, pois reflete a sociedade diferenciada, a sociedade moderna da época. Montesquieu difere no ponto que tange a sociedade civil, que para ele, não é vista separada do Estado e suas diferenciações também são distintas. A divisão de classes é outro ponto em que há distinção, para Hegel, é vertical, baseada em critérios socioeconômicos, já para Montesquieu é horizontal, buscando a honra. Conclui-se, então, q

Resenha: História do Direito Internacional

RESENHA CRÍTICA Obra: DAL RI JÚNIOR, Arno. História do Direito Internacional; Comércio e Moeda; Cidadania e Nacionalidade. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2004. Autor: Arno Dal Ri Júnior: doutor em Direito Internacional pela Università Luigi Bocconi de Milão, com pós-doutorado pela Université de Paris I (Panthéon-Sorbonne), contribui à análise crítica do direito internacional nos cursos de pós-graduação da Universidade Federal de Santa Catarina, da Università degli studi di Padova (Itália) e da Universidad de Alcalá (Espanha). É pesquisador da Pondazione Cassamarca de Treviso. APRESENTAÇÃO A presente obra nos traz, em sua primeira parte, uma retrospectiva histórica do comércio em caráter internacional, mostrando sua evolução desde a antiguidade, com a Grécia Antiga, até a recente criação da Organização Mundial do Comércio, além de mostrar sua influência nas relações políticas internacionais. Na segunda parte do livro, o autor demonstra como a concepção de cidadania e nacio