BAIXE O APP DO SITE PARA ANDROID

O site VejaDireito agora está no android! Baixe e tenha acesso ao conteúdo do site quando quiser.

CALCULADORA DE PRAZOS - Veja Direito (Versão Beta)

Uma calculadora de prazos online e totalmente gratuita. Sem cadastros e fácil de usar.

SIGA O BLOG NO INSTAGRAM

Informação rápida na palma da sua mão.

VEJA DIREITO NO FACEBOOK

Curta e compartilhe o site nas redes sociais.

CALCULADORA DE HONORÁRIOS

Obtenha de maneira fácil e rápido a previsão de honorários nas causas em que a Fazenda Pública é parte.

domingo, 28 de maio de 2017

XXII Exame da OAB - 2ª fase - Prova Discursiva - GABARITO OFICIAL PRELIMINAR

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB

Está no smartphone? Gire o celular para visualizar melhor



















XXII EXAME OAB - segunda fase - GABARITO PRELIMINAR - prova subjetiva


    


XXII Exame OAB (PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL) 28 de maio de 2017

acompanhe também no facebook e no twitter
utilize os comentários para discutir as dúvidas iniciais


>>VÍDEO CORREÇÃO ABAIXO<<
Gabarito Oficial Aqui



Está no smartphone? Gire o celular para visualizar melhor

A prova prático-profissional valerá 10,00 (dez) pontos e será composta de duas partes:
1ª parte: Redação de peça profissional, valendo 5,00 (cinco) pontos, acerca de tema da área jurídica de opção do examinando e do seu correspondente direito proceagrassual, cujo conteúdo está especificado no Anexo II, indicada quando da sua inscrição, conforme as opções a seguir: a) Direito Administrativo; b) Direito Civil; c) Direito Constitucional; d) Direito do Trabalho; e) Direito Empresarial; f) Direito Penal; g) Direito Tributário.
2ª parte: Respostas a 4 (quatro) questões discursivas, sob a forma de situações-problema, valendo, no máximo, 1,25 (um e vinte e cinco) pontos cada, relativas à área de opção do examinando e do seu correspondente direito processual, indicada quando da sua inscrição, conforme as opções citadas no subitem anterior.




PROVA
PEÇA
ADMINISTRATIVORecurso de Apelação
CIVILAgravo de Instrumento
CONSTITUCIONALMandado de Injunção
EMPRESARIALDissolução parcial
PENALRecurso de Apelação
TRABALHISTAReclamação Trabalhista
TRIBUTÁRIOEmbargos à Execução Fiscal








 

terça-feira, 16 de maio de 2017

RESPONSABILIDADE PELO IMPOSTO DE RENDA NO CASAMENTO





Dúvida para muitos casais e interpretado de forma equivocada pela própria Receita Federal são os efeitos jurídicos do Imposto de Renda no regime de comunhão parcial e total.


Apesar da confusão, a relação jurídica da tributação no casamento não possui maiores complexidades.


Inicialmente, há de se fazer a distinção de renda e patrimônio no direito tributário. O próprio CTN apresenta o conceito de renda e proventos em seu art. 43. Renda é o produto do capital, do trabalho ou da combinação de ambos. Proventos são os acréscimos patrimoniais não compreendidos no conceito de renda.


Por seu turno, patrimônio não possui conceito expresso na legislação. No entanto se extrai do ordenamento positivo, em especial o Código Civil, que patrimônio é uma universalidade de bens e direitos.


Logo, há de se registrar mais uma vez: os conceitos de renda e patrimônio não se confundem para efeitos tributários.


Retomando o estudo, o Imposto de Renda é tributo que tem por hipótese de incidência “auferir renda”. Este é o critério material do Imposto de Renda. Se o verbo eleito é “auferir”, o contribuinte do imposto será necessariamente o sujeito que aufere a renda. Nesse ponto o art. 121, I, do CTN é claro, diz-se contribuinte o sujeito que possui relação pessoal e direta com a situação que constitua o respectivo fato gerador.


Portanto, independentemente do regime matrimonial, o contribuinte do Imposto de Renda na constância do casamento será sempre o sujeito que aufere a renda. Ou seja, inexiste solidariedade no ato de obter renda. Nosso ordenamento jurídico não prevê como sujeito contribuinte a “sociedade conjugal”, o que exigiria a criação de um CNPJ para todos os sujeitos casados em regime parcial ou universal de bens.


O que leva à confusão dos operadores do direito, inclusive da Receita Federal, é a relação que os cônjuges possuem em relação ao patrimônio. Desse modo, em se tratando de impostos vinculados ao patrimônio (p. ex. IPTU, IPVA e ITBI), os cônjuges serão solidários na obrigação desses impostos, pois o patrimônio objeto de tributação é de propriedade do casal. Assim, ambos possuem relação direta com o fato gerador (p. ex.: “ser proprietário de imóvel urbano”, “ser proprietário de veículo automotor”). A solidariedade neste caso decorre do interesse jurídico vinculado à propriedade dos bens que compõe o patrimônio do casal (art. 124, I, do CTN).


Em síntese: O imposto de renda é devido exclusivamente pelo sujeito que aufere a renda, e não pelo casal. O patrimônio sim pertence à sociedade conjugal, razão pela os cônjuges são solidários em relação aos tributos vinculados à propriedade de bens.


O aqui afirmado é facilmente identificado na legislação em vigor.


Destaca-se o art. 1.659, VI, do Código Civil que dispõe de forma taxativa: Excluem-se da comunhão os proventos do trabalho pessoal de cada cônjuge. Este dispositivo se aplica tanto ao regime de comunhão parcial como ao regime de comunhão universal (art. 1.668, V, do CC).


Da mesma forma, o art. 6º do Decreto 3.000/1999 (Regulamento do Imposto de Renda) também dispõe de forma taxativa que, na constância do casamento, os rendimentos serão tributados na proporção de 100% do que lhes forem próprios e 50% dos produzidos pelos bens comuns.


Assim, ainda que casados em comunhão parcial ou universal, o Imposto de Renda será sempre de responsabilidade exclusiva do cônjuge que auferiu a renda a ser tributada, sendo vedada a cobrança do imposto de forma solidária ao casal.


Por fim, apenas para que não haja dúvida, a única consequência que a opção do regime leva ao casal, em se tratando de Imposto de Renda, será em eventual Execução Fiscal do imposto quando não pago por um dos cônjuges. Nesta hipótese, a Fazenda Nacional poderá realizar os atos de constrição sobre o patrimônio do casal, na proporção equivalente à meação do cônjuge devedor.