Pular para o conteúdo principal

Formas de Solução dos Conflitos



Demonstrarei a seguir as principais formas de solução dos conflitos presente no nosso ordenamento.

Inicialmente veremos as formas de autocomposição (em sentido amplo) e posteriormente as formas de heterocomposição.

É característica da autocomposição a ausência de um terceiro na solução do conflito. A composição se dá por força de uma das partes ou acordo causado por renúncia ou desistência de uma das partes.

A heterocomposição se caracteriza pela presença de um terceiro que auxilia na busca da composição ou decide.



AUTOCOMPOSIÇÃO

AUTOTUTELA




Na autotutela a solução do conflito se dá pela pessoa individualmente. É característica da antiguidade, como a Lei das XII Tábuas e o Código de Hamurabi.
A autotutela era muito presente na Idade Média nas relações de castas superiores sobre inferiores e no duelo.
A partir da Idade Moderna a autotutela perde força, mas ainda está presente nos dias de hoje. Podemos citar como exemplo a legítima defesa, o estado de necessidade e o direito de greve.
Cabe lembrar que hoje a autotutela sofre uma análise realizada pelo Estado, que decide se ela foi realizada de forma legal ou não.

AUTOCOMPOSIÇÃO (em sentido estrito)

Na autocomposição em sentido estrito, as partes, por si mesmas, solucionam o conflito.
Não é necessariamente um acordo, pode ser uma renúncia ou desistência de um direito.
O acordo é chamado transação. Geralmente alguém abre mão de um pouco para chegar a uma solução.
Temos como exemplo o art. 269, III do CPC:

Art. 269. 


Haverá resolução de mérito:




III - quando as partes transigirem


Sendo assim, há três formas de autocomposição: Transação (quando há acordo), renúncia e submissão.


HETEROCOMPOSIÇÃO

MEDIAÇÃO/CONCILIAÇÃO

Tem o mesmo fim da autotutela e da autocomposição, porém há a presença de um terceiro que não decida, mas auxilia as partes para que elas mesmas cheguem a um acordo.

MEDIADOR
O mediador tenta unir as partes que se mostram afastadas para uma possível solução.

CONCILIADOR
O conciliador orienta as partes que se apresentam por espontânea vontade.

Observação: O novo CPC, no seu art. 134, prevê a realização das conciliações não mais pelo juiz e sim por conciliadores e mediadores.

A mediação ocorre somente sobre bens disponíveis. Aos bens indisponíveis somente o Estado pode decidir.
Há divergência na doutrina quanto a função do conciliador e do mediador.

ARBITRAGEM

No Brasil somente durante o período imperial ela existiu.
As partes, em comum acordo, decidem que um terceiro solucionará o conflito.
A decisão do árbitro é irrecorrível. Suas exigências são as mesmas da decisão judicial.
A renúncia da arbitragem só se dá em comum acordo.
A arbitragem trata de bens disponíveis.
A arbitragem se aplica no direito privado e no nosso ordenamento ela é regulamentada da pela Lei 9.307/1996.

O PROCESSO

O processo como conhecemos hoje nasce com o Estado Moderno.
No processo o juiz decide, ao contrário da mediação e da conciliação.
Na arbitragem a escolha de quem decidirá é das partes. No processo judicial há um sorteio para impossibilitar a escolha do juiz que decidirá.

Enfim, assim podemos resumir as principais formas de solução dos conflitos existentes no ordenamento jurídico atual.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

XIX EXAME OAB - GABARITO PRELIMINAR OFICIAL (primeira fase)

Podem participar do Exame de Ordem estudantes do último ano do curso de graduação em direito ou dos dois últimos semestres. Quem passou na primeira fase do último exame mas não foi aprovado na segunda fase, pode solicitar a participação direta na segunda fase desta nova edição. O candidato deverá solicitar, exclusivamente via Internet, nos endereços eletrônicos da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou nos endereços eletrônicos das seccionais da OAB.

-->


PRINCÍPIO DO ÔNUS DA IMPUGNAÇÃO ESPECÍFICA – ART. 302 do CPC

O sistema processual, regra geral, não admite a formulação de defesa genérica.
Tal comando está previsto no artigo 302 do Código de Processo Civil, o qual dispõe:
Art. 302. Cabe também ao réu manifestar-se precisamente sobre os fatos narrados na petição inicial. Presumem-se verdadeiros os fatos não impugnados, salvo: I - se não for admissível, a seu respeito, a confissão; II - se a petição inicial não estiver acompanhada do instrumento público que a lei considerar da substância do ato; III - se estiverem em contradição com a defesa, considerada em seu conjunto. Parágrafo único. Esta regra, quanto ao ônus da impugnação especificada dos fatos, não se aplica ao advogado dativo, ao curador especial e ao órgão do Ministério Público.
Conforme ensinamento de Nelson Nery “No processo civil é proibida a contestação genérica, isto é, por negação geral. Pelo princípio do ônus da impugnação especificada, cabe ao réu impugnar um a um os fatos articulados pelo autor na petição inicial. Deixando de impugna…

MODALIDADE DA OBRIGAÇÃO

1.QUANTO AO OBJETODar, fazer e não-fazer: essas são as obrigações quanto ao objeto.OBRIGAÇÃO DE DARDevedor deve entregar ou colocar à disposição um determinado bem. Ex.: compra e venda.OBRIGAÇÃO DE FAZERPresta serviço, presta atividade. Ex.: Prestação de serviço.OBRIGAÇÃO DE NÃO-FAZERAbstenção. Ex.: sigilo.José de Castro Neves: Nos casos em que temos o interesse na coisa, tenho a tendência que isso é uma obrigação de dar, p. ex. comprar uma cadeira. Se comprar uma cadeira levando em conta a habilidade do autor, isso é uma obrigação de fazer.1.1OBRIGAÇÃO DE DARNa manifestação da obrigação transfiro a propriedade de objeto, cedo a posse ou devo restituir alguma coisa.No direito brasileiro existe a transferência da propriedade por contrato. No Brasil, ao contrário da Itália e França que basta o contrato para transferência da propriedade, contrato não transfere direito real. As formas clássicas são Tradição (entrega da coisa) no caso dos bens móveis, e registro no Registro de Imóveis, no …